Quem passou por 2019 com Bitcoin em seu portfólio teve motivos para comemorar, a moeda fechou o ano com valorização maior que 95% em reais. Mas o que podemos esperar em 2020?

Antes de discutirmos as tendências e projeções para o Bitcoin, precisamos entender o que é o halving, evento que ocorrerá este ano. Lembra que existem mineradores na Rede Bitcoin? Sempre que eles acertam os cálculos de mineração, eles são recompensados com bitcoins, e o halving, nada mais é, que um evento programado para ocorrer de 4 em 4 anos¹ que reduz pela metade os valores pagos a esses mineradores. Simples assim.

Agora que já sabemos do que se trata o halving e sabemos que ele ocorrerá esse ano, podemos conversar sobre as tendências para 2020.

A proximidade do halving, por si só, já vem afetando o preço da moeda desde o ano passado, contribuindo para a alta de seus preços e a tendência é que eles continuem a crescer, porém com certa volatilidade. Mas por quê? Pensa comigo, se os mineradores terão menos moedas para vender, e a demanda por elas se mantiver estável ou crescer, a tendência é que o Bitcoin se valorize. Lei da oferta e da procura, lembra dela ?

Outro motivo que pode ajudar na valorização do Bitcoin ainda este ano, se dá pela criação de inúmeras novas tecnologias para uso da moeda, como novos modelos de exchanges, startups de pagamentos e ainda a entrada de grandes players do mercado financeiro no mercado de criptomoedas, como a XP Investimentos, BTG, Ágora ou Órama no Brasil, por exemplo.

Em entrevista para a Bloomberg, no dia 03 de janeiro de 2020, o CEO da Nexo, Antoni Trenchev disse acreditar que o Bitcoin alcance a marca de 50 mil dólares durante 2020.

Ainda existe a possibilidade do amadurecimento do mercado financeiro em relação aos criptoativos, devido à possibilidade de desenvolvimento de novas operações de bolsas de negociação de contratos futuros em Bitcoin, como a Chicago Mercantile Exchange, a Bakkt e até a possível criação de uma ETF² em Bitcoin.

Podemos esperar também, por avanços no ambiente regulatório para criptomoedas, principalmente nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, a ideia de fornecer uma maior clareza em sua regulação pode facilitar o acesso a esses ativos por pessoas físicas e gestoras de carteiras buscando risco, mas com certo respaldo regulatório.

A partir de todos os tópicos aqui discutidos vemos que o mercado está bastante otimista para 2020, o que não é por si só uma garantia de sucesso, porém corrobora para as projeções do último ano que acreditavam numa valorização bastante alta do bitcoin. Além de uma valorização financeira da moeda, acredito que mais pessoas estarão aptas a conhecer e utilizar a moeda no dia a dia.

Legendas:
¹ O halving ocorre a cada 210 mil blocos minerados, o que em média demora 4 anos.
² Exhange Traded fund é um fundo de ações que tem lastro em algum índice da bolsa de valores.

Bruno Roland,

CSO @ Alterbank, fintech carioca, parceira da VISA no Brasil, que oferece conta digital sem mensalidade, permitindo utilizar tanto reais quanto criptomoedas em seu dia-a-dia.

Para mais textos sobre o mercado: https://medium.com/@rolandbruno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *