O Bitcoin está conquistando cada vez mais espaço na economia e se consolidando como uma alternativa interessante de investimento, mas você já considerou usar o Bitcoin como poupança?

Bitcoin como poupança

Vamos explicar porque essa é uma possibilidade muito procurada e como você pode utilizar o Bitcoin dessa forma. Considerar o aspecto de longo prazo é o ponto chave nessa opção  e você pode ter uma recompensa muito atraente se decidir seguir nesse caminho.

Para entender como o Bitcoin pode ser usado como poupança precisamos compreender o seu processo de valorização.

Existem alguns fatores que são fundamentais para determinar o preço do Bitcoin, são eles: sua quantidade limitada, sua produção decrescente e sua demanda ascendente. E o que significa tudo isso? Vamos lá.

Quantidade limitada

As reservas de Bitcoin são finitas. Seu estoque foi preestabelecido em 21 milhões de Bitcoins, e esse número deve ser alcançado em 2140.

Essa condição confere ao Bitcoin um mecanismo muito similar ao de metais preciosos, como o ouro, que também possuem reservas limitadas.

E como essa condição de ‘quantidade limitada’ está relacionada à valorização da criptomoeda? A escassez desse criptoativo ajuda a preservar seu valor. Além disso, esse fator o torna menos suscetível às pressões inflacionárias ou ingerências externas, como ocorre com moedas convencionais.

Produção decrescente

Já sabemos que a quantidade de Bitcoins é finita e está pré-definida em 21 milhões. A questão é que além desse fato, a produção de Bitcoin pelos mineradores é cortada pela metade a cada quatro anos em um evento conhecido na criptoeconomia como Halving. O último Halving aconteceu em maio deste ano (2020) e diminuiu a taxa de Bitcoins entregue para cada bloco verificado por mineradores de 12,5 Bitcoins para 6,5 Bitcoins por bloco minerado.

O Halving foi planejado com o objetivo de frear a inflação anual da criptomoeda, diminuindo sua emissão, e por isso é um possível determinante de sua valorização.

Demanda ascendente

O setor de criptomoedas e o Bitcoin passaram por várias provas de fogo nos últimos tempos.

Muito embora seu desempenho tenha sido desafiado de forma constante, inclusive com a crise econômica decorrente do novo Coronavirus nesse ano, a criptomoeda demonstrou resiliência e maturidade.

Não são poucos os investidores que passaram a diversificar seu portfólio de investimento e adicionaram as criptomoedas em suas carteiras após seus resultados promissores. A valorização do Bitcoin já está em torno de 30% nos últimos três meses e de retorno de 28,5% no ano.

A aceitação da criptomoeda como meio de pagamento também aumenta a percepção de seu valor e de sua utilidade no dia a dia.

Assim, ao conquistar espaço em novos mercados, a demanda pelo Bitcoin também aumenta e contribui para seu processo de valorização.  

Histórico de valorização

Agora que você já conhece os principais determinantes da valorização do Bitcoin, vamos olhar um pouco para o seu histórico de valorização.

O Bitcoin foi criado em 2008, mas só passou a ser utilizado de forma mais ativa em 2010.

Nesse mesmo ano, a primeira transação de Bitcoin aconteceu, e passou a ser conhecida como Pizza Day. Nessa transação duas pizzas foram trocadas por 10 mil Bitcoins, que valiam à época cerca de U$40.

Já te dando um grande spoiler desse processo de valorização, hoje (21 de agosto) 10 mil Bitcoins valem pouco mais de 115 milhões de dólares. Impressionante, não?

Desde essa transação, a subida do preço do Bitcoin foi absurda. Seu ano mais marcante de valorização ocorreu em 2017, quando 1 Bitcoin chegou a valer U$20.000,00.

Os determinantes que descrevemos anteriormente e sua disseminação na economia motivarem essa curva ascendente de valor.

Por conta desse histórico, segurar o Bitcoin e focar em sua valorização de longo prazo passou a ser uma forma interessante de investimento. Assim, o investidor que poupa ‘segurando’ Bitcoin foi denominado de hodler e costuma ser recompensado ao aguardar a alta da criptomoeda.

Não podemos deixar de destacar que oscilações em seu valor aconteceram, mas não deixa de ser impressionante o seu processo de valorização em tão pouco tempo. Ou seja, mesmo que apresente correção de valor, a moeda consegue restabelecer um movimento considerável de alta.

E o que esperar do Bitcoin?

Falamos aqui que o Bitcoin foi exaustivamente testado no primeiro semestre deste ano. Enquanto a economia foi muito afetada pela crise sanitária e econômica (no caso brasileiro, ainda presenciamos uma crise política), as moedas fiduciárias apresentaram um desempenho baixo. O Real, por exemplo, desvalorizou 35,6% ante o Dólar nesse ano.

O desempenho do Bitcoin, em contrapartida, demonstrou seu potencial. Mesmo apresentando uma queda em 12 de março, logo se recuperou apresentando alta significativa.

Hoje, o Bitcoin está cotado a pouco mais de R$ 65.400,00 e possui previsão de alta pelos especialistas.

O crescimento exponencial da demanda e os avanços em sua regulamentação, impulsionam o Bitcoin a valorizar ainda mais.

Bitcoin como poupança: onde armazenar sua criptomoeda?

Usar o Bitcoin como poupança pode ser uma alternativa muito interessante como vimos ali em cima. Então se você optou por esse caminho é importante pesquisar onde você pretende guardar seus Bitcoins.

A principal recomendação é que você guarde seus Bitcoins em uma carteira, também chamadas de wallets.

Já falamos por aqui que as wallets são utilizadas para guardar criptomoedas. Com uma carteira é possível transacionar as cripto, consultar os saldos virtuais e realizar transações no dia a dia.

O Alterbank pode te ajudar nessa escolha e você pode ficar tranquilo por abrir uma conta/wallet em uma instituição segura e confiável, e transacionar seus Bitcoins de forma prática, seja para usar seus Bitcoins no dia-a-dia, ou para realizar investimentos diversos com a criptomoeda.

Além disso, você também pode usufruir no Alterbank de diversos serviços bancários e transitar entre a criptoeconomia e a economia tradicional com a transparência e praticidade necessárias.

Se você ainda não abriu sua conta, não perca tempo!